mudar de vida: ser saudável e feliz

Alimenta a Mente #3: Officina, da Cláudia Fonseca

Inicialmente, na rubrica Alimenta a Mente, pretendia partilhar com os leitores do Bem me Quero algumas das minhas leituras e livros que de certa forma me marcaram.

No entanto, e porque não é só com os livros que alimentamos a mente, decidi partilhar convosco um podcast (e consequentemente um blog) completamente apaixonante.

 

A primeira vez que ouvi falar da Cláudia Fonseca, autora do blog The Officinalis, foi através do blog Made by Choices, da querida Vânia. Daí cheguei ao podcast e só depois ao blog.

 

 

Tal como a Cláudia nos diz no episódio de apresentação, o Officina é um lugar de partilha.

Quando oiço, sinto mesmo que a Cláudia está ali comigo, a partilhar o seu conhecimento e todas as suas experiências. A sua voz doce e meiga alerta-nos para coisas tão simples mas que muitas vezes nem damos conta.

 

Penso que devem, mesmo, ouvir com a máxima atenção todos os episódios do Officina. A Cláudia tem o poder de nos colocar a pensar de uma forma bastante profunda acerca de diversos pontos das nossas vidas. Dá-nos sempre exemplos bastante práticos daquilo que vai referindo. Torna muito mais fácil não só a compreensão, como também o paralelismo entre os temas do podcast e as nossas vidas.

 

Neste Alimenta a Mente, apesar de achar que devem ouvir todos os episódios como referi, quero focar-me principalmente no sexto episódio. Neste episódio, a Cláudia fala de Amor Próprio. Este episódio tem tudo a ver com aquilo que em parte quero transmitir com o Bem me Quero.

 

 

O amor-próprio não é algo que se consiga atingir na sua real e total essência num piscar de olhos. É complexo, pode demorar algum tempo, ou pode ser um processo de construção para a vida inteira.

Isto porque não se trata apenas do amor-próprio. Implica auto-conhecimento, que acaba por ser também um processo para toda a vida.

Tal como a Cláudia diz, gostarmos de nós próprios pode, muitas vezes, parecer algo bastante simples.  No entanto, não o é.

O amor-próprio, gostarmos de nós, permite-nos reconhecer o nosso valor o que, consequentemente, nos permite tomar decisões e escolher caminhos de uma forma bastante mais fácil e acima de tudo, mais tranquila. Como a Cláudia diz, ninguém tem vidas perfeitas, mas cabe-nos a nós fazer aquilo que está ao nosso alcance para que sejamos mais felizes, para fazermos os nossos felizes e para termos uma vida plena e serena.

 

Por ser ansiosa desde sempre, nos últimos tempos aprendi a dar um maior valor à serenidade dos dias. Gosto da calma. Não gosto apenas de me sentir serena. Gosto que o que me rodeia assim seja também. Por isso aprendi que há coisas muito pequenas e alguns momentos do meu dia que podem ser verdadeiramente calmos. Dedicar tempo a mim mesma é algo que me deixa relaxada (a ler, a ouvir algo inspirador, a meditar, ou simplesmente fazer uma caminhada e sentir!).

 

 Houve outro ponto mencionado neste episódio que também me deixou a pensar: não devemos deixar que os rótulos (sobretudo os negativos) que os outros nos colocam nos definam e nos acompanhem para a vida toda.

Faz sentido, não faz?

Isto faz-me também pensar no conformismo.

Quando eu era obesa ouvi mais do que uma vez que nunca conseguiria emagrecer (ou deixar de comer porcarias). Chegou a um momento em que essa ideia passou mesmo para o meu íntimo. Conformei-me. Ia ser sempre gorda. E a ideia de continuar a ser gorda, para mim naquela altura, era sempre mais fácil de encarar do que a ideia de tentar mudar de alguma forma o meu estilo de vida e falhar. Podia continuar gorda, mas não teria de lidar com a frustração do fracasso.

(o que vale é que mudei esta minha maneira de pensar!!)

 

Não queria continuar a falar concretamente do conteúdo e tópicos abordados neste episódio, porque gostava mesmo que fossem ouvir o podcast, mas há uma pergunta que a Cláudia colocou que me deixou mesmo a pensar e, de certa forma, fez-me concluir que tenho ainda um longo percurso de descoberta e concretização pela frente.

 

“Que pessoa queres ser?”

 

Convido-vos também a pensar um pouco sobre esta questão!

Deste episódio cheguei ao Gosto-me, que consiste num conjunto de 30 desafios (um por dia) que têm o intuito de promover o hábito de cuidarmos de nós.

 

 

Vou começar já hoje com um dos desafios (podem alterar a ordem, como a Cláudia menciona). Passem pelo The Officinalis, fiquem a conhecer detalhadamente cada um dos desafios propostos pela Cláudia e entrem nesta aventura comigo!
Vou tentar sempre que possa, partilhar algo relacionado com os desafios aqui. No instagram vou partilhando com uma maior regularidade, sempre que possível.

Já conheciam o The Officinalis?
E o Officina?

 



Deixar uma resposta