mudar de vida: ser saudável e feliz

Mas afinal o que é que devemos comer?!

Actualmente somos confrontados diariamente com as mais diversas informações acerca de alimentação saudável. Temos notícias nos media, reportagens e documentários (tantos), revistas, livros, diversos artigos e vários blogs, instagrams e por aí fora.

Há diferentes tipos de dieta: vegetariana, vegan, do tipo sanguíneo, paleolítica, low carb, dietas que cortam o glutén e/ou a lactose (muitas vezes sem existir qualquer tipo de intolerância) e por aí fora… sendo que a maior parte destas teorias se dizem “comprovadas cientificamente”.

Enquanto uma teoria nos diz para não comermos carne, outra diz-nos para comermos apenas vegetais e frutas. Enquanto umas dizem para comermos alimentos crus, outras dizem para comermos alimentos cozinhados. Para umas os ovos são óptimos, para outras é preciso manter a distância. Há até documentários online que nos dizem que afinal não é o excesso de açúcar refinado que está na origem dos diabetes, mas sim o consumo de carnes brancas como o frango.

Às páginas tantas, já não sabemos para que lado nos virar, já não sabemos se ao comermos carnes brancas estamos a fazer bem ou se devemos optar por um iogurte sem lactose ao invés daquele que a tem. Uma coisa é certa, devemos evitar ao máximo os alimentos processados e açúcares refinados!

Eu não sou fundamentalista de nada nem extremista de coisa nenhuma. Nem oito nem oitenta.. Acho que o segredo (pelo menos para mim) é ser flexível. Não como coisas ditas “proibidas” (reparem que está entre aspas!) todos os dias como é óbvio. Não por me reger por uma teoria qualquer (respeito quem o faz, atenção!) que me diz que não devo comer isto ou aquilo, mas porque aprendi que não me fazem falta, que não são ricos nutricionalmente e que muitas vezes me fico a sentir fisicamente desconfortável depois de os comer.

Para além disso, se hoje me apetecer um chocolate (a ti pode ser um hambúrguer ou uma pizza, mas o chocolate para mim é aquela coisa) não vou esperar por domingo para o comer. Vou tentar perceber se me apetece comer um chocolate porque estou aborrecida e não tenho nada para fazer ou se me apetece comer um chocolate porque realmente me apetece comer um chocolate. Não consigo andar uma semana inteira a ansiar por um determinado dia em que vou poder comer o que me apetece. De certa forma, isso para mim faz-me parecer que estou a ser demasiado restritiva e que estou a proibir (agora sem aspas) alguns alimentos.

 

Há uma palavra que para mim resume tudo isto: equilíbrio (negrito e itálico, reparem bem no destaque!!).

Equilíbrio entre o nosso plano alimentar individual (plano porque dieta remete-nos para algo restritivo e individual porque eu sou eu e tu és tu, cada um tem as suas necessidades!), o exercício físico e o nosso bem-estar psicológico que é tão importante quanto tudo o resto!!

 



Deixar uma resposta